Afinal, o que é “regionalismo”?

por Zemaria Pinto


Na Veja, o Jerônimo Teixeira está para a literatura assim como a Isabela Boscov para o cinema. E nas mesmas condições: sob suspeita. Desconfie de tudo o que o Teixeira escreve. Aliás, desconfie da Veja. Autor de dois livros de contos muito bem recebidos pela crítica (da Veja, claro), Teixeira faz parte daqueles críticos que Harold Bloom enquadra na “escola do ressentimento”, que pode ser ilustrada e simplificada no seguinte silogismo: “mamãe me acha lindo; logo, você é feio”.

Na última Veja, para esculhambar autores que lhe fazem sombra, Teixeira resolveu ressuscitar um conceito equivocado, que estudos sérios dão como mera curiosidade arqueológica: o regionalismo. Sua defesa é de uma simploriedade que tangencia a ignomínia: “o próprio fato de tantos autores se voltarem contra o conceito atesta que, de alguma forma, ele sobrevive”.

Vamos lá: regionalismo foi o nome dado pela crítica a uma literatura que se voltava para o interior do país, desde José de Alencar e Bernardo Guimarães, passando por Graça Aranha e Alberto Rangel, até o boom da literatura neo-realista, a partir dos anos 1930: Érico Veríssimo, Jorge Amado, José Lins do Rego e os incomparáveis Graciliano Ramos e Guimarães Rosa. O nome de Veríssimo, gaúcho que nem o Teixeira, é o primeiro da lista só para anular outro rótulo equivocado: o “romance nordestino”. Aliás, Rosa era mineiro. E por que foi chamado de regionalismo? Porque, com raríssimas exceções, a ficção brasileira retratava o perímetro urbano, mais especificamente, a capital e sua locomotiva financeira: Rio de Janeiro e São Paulo. Lima Barreto, que escrevia sobre os subúrbios cariocas, foi solenemente ignorado em vida. Seus críticos não achavam nenhuma graça naqueles pobres-diabos que ele revelava.

Os defensores da existência hoje do regionalismo — pois os há, além do Teixeira, da mesma forma que há nazistas, fascistas, stalinistas, maoístas etc. — empregam o termo de forma depreciativa, justificando sua classificação pelo uso de uma linguagem própria de uma região, um subdialeto. Ora, só se pode achar que a linguagem baiana, por exemplo, é “regional” se comparada a outra. A comparação será com o carioquês e o paulistês, claro. Aliás, já perceberam como cariocas e paulistas falam de maneira diferente entre si — além de serem ambos diferentes de qualquer outra região do país? Falácia. Outra característica: se o sujeito escrever sobre o Amazonas e falar da floresta é regionalista. Se for pernambucano e falar dos costumes sertanejos é regionalista. É o que os parvos chamam de “cor local”. Mais falácia. Diz-se também que regionalista é a literatura que põe seu foco em determinada região do Brasil. Outra falácia, conforme demonstraremos a seguir.

Pelas características mais comuns do regionalismo, acima elencadas, eu afirmo solenemente que ninguém é mais regionalista em toda a literatura brasileira que o senhor Joaquim Maria Machado de Assis, ele mesmo! Pois, pasmem: toda a obra de Machado de Assis passa-se na cidade do Rio de Janeiro e arredores. Nada mais regionalista, portanto: pela linguagem, pelos usos e costumes, pelo foco geográfico. Pobre Machado! A que te reduziram…

Referindo-se ao recém-lançado livro de contos de Milton Hatoum, A cidade ilhada, Teixeira põe um ovo em pé: “o título faz referência a Manaus”. É o suficiente para a adjetivação maldita: regionalista! Mais: a matéria traz uma ilustração de Hatoum caricaturado como um seringueiro… Ainda não li o livro, por isso não entro no mérito da crítica depreciativa que o Teixeira faz: “os contos de Hatoum são regulares na mediocridade”.

Mas eu duvido que o autor dos já clássicos Relato de um certo oriente e Dois irmãos seja lido pelo obtuso Teixeira sem ressentimento.

Zemaria Pinto é professor de Teoria da Literatura e de Literatura Brasileira e escreve artigos sobre literatura para O Malfazejo. Zemaria é o responsável pelos blogs O Fingidor e Palavra do Fingidor.


Ficou curioso?

About these ads

5 thoughts on “Afinal, o que é “regionalismo”?

  1. Nosso ovo disse:

    A Veja se acha dona da verdade. Leio a revista, mas, com o pé atrás. Maldito aquele que lê a Veja e toma aquilo que ela publica em suas páginas como verdade absoluta. Esse tal de Teixeira se acha o semideus. O Nassif já arriou as calças dele em público através de seu dossiê.

  2. Marcelo Seráfico disse:

    Tenho a impressão de que o “regionalismo” está na pupila do senhor leitor! Essa “alcunha” é uma forma de transferir para quem escreve os limites de compreensão de quem lê. E quando o limitado leitor veste a fantasia de crítico, o circo pode pegar fogo… o que faz a alegria de uns sem acrescentar nada para outros.

  3. Mariza disse:

    ola. adorei o vosso site, p que é, é que é um bocado SECANTEEEE !

  4. Daniela disse:

    my name is Daniela and i’m bad inglish. I dont now speak inglish but i very burra..

  5. Nayara disse:

    Esse termo ”regionalismo” foi empregado por esse caricato senhor mas como um perjurio do que um termo tecnico da literatura,e o pobre Machado não tem muito que ser metido nessa historia no maximo a nivel de exemplo bem distante da realidade…Mas a relevancia de discutir acerca do signifados que ”damos” ao termo regionalismo,revela um preconceito de nortistas por nortitas e de sulistas por nortistas e interioramos…sem mais …

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 93 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: